Destaques

A IATF16949 e o Plano de Contingência

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Nesses anos de 2020 e 2021, devido à pandemia COVID-19 e seus desdobramentos, muitas empresas passaram por situações como elevado índice de absenteísmo e falta de insumos de produção, fazendo com que suas operações tivessem que ser interrompida ou reduzida, e por vezes atrasando entrega para clientes ou tendo que realizar diversas ações para evitar que isso ocorresse, tal como operar em hora-extra, buscar fontes alternativas de fornecimento, aumentar estoques ou subcontratar mão-de-obra temporária. As empresas que já estavam preparadas para situações como essas tiveram melhores resultados do que as aquelas que foram pegas de surpresa. 

A indústria automotiva é conhecida pela intensa competitividade e grande regulamentação, fazendo com que os fornecedores desse mercado tenham que se comprometer com entrega 100% no prazo e Zero Defeitos nos produtos, operando com margens de lucro apertadas e contratos prevendo descontos por ganhos de produtividade, não reajustes. 

Para realizar essa operação a empresa logicamente corre riscos de ocorrerem situações adversas que a impeça de atender aos compromissos assumidos com seus clientes automotivos, e quando os riscos se tornam realidade, é necessário que a empresa acione um Plano de Contingência. 

As empresas certificadas IATF16949:2016 devem atender ao item 6.1.2.3 dessa norma, que indica os riscos a serem cobertos pelo Plano de Contingência: falha de equipamentos chave, interrupção de provimento por fornecedores e prestadores de serviço, desastres naturais recorrentes, incêndio, interrupção de utilidades, falta de mão-de-obra (ex.: greves) ou interrupção de infraestrutura. A FAQ29 e as SI3 e SI17 complementam a lista dos riscos com ciberataque e pandemia. 

A norma requer um processo de notificação ao cliente e outras partes interessadas sobre o ocorrido, teste periódico do plano, análises críticas (no mínimo anual) por uma equipe multidisciplinar incluindo a Alta Direção e atualização, se requerido. O plano de contingência deve ser documentado e registros das revisões e pessoas que autorizaram as mudanças devem ser mantidos. Ao reiniciar a produção depois de uma emergência que resultou na parada de produção ou se um processo regular de parada não foi seguido, deve haver uma validação do produto manufaturado com relação ao atendimento aos requisitos de clientes. 

A LQ TÉCNICA & GESTÃO pode auxiliar sua empresa a elaborar e melhorar seus planos de contingência. 

Deixe um comentário

ÚLTIMOS ARTIGOS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS