Destaques

Crise Energética: ações a serem tomadas pelas empresas!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

Nossa sociedade consome cada vez mais energia para sustentar nossas atividades, tais como transporte, conservação de alimentos, conforto térmico, entretenimento e produção de bens e serviços. O Brasil tem 64% de sua matriz energética dependente de hidrelétricas, o que é muito bom por um lado, por ser uma energia renovável e relativamente barata, mas que por outro lado depende do regime de chuvas.

Como nos últimos anos, devido ao aquecimento global, desmatamento e outras agressões à Natureza, tem chovido menos nas proximidades dos principais reservatórios que abastecem as hidrelétricas do país, a maior parte localizadas nas regiões Sul e Sudeste, os consumidores (pessoas e empresas) passaram a pagar mais pela energia elétrica consumida e sofrem com risco de “apagão” ou racionamento de energia. 

O que as empresas podem fazer para mitigar os riscos de falta de energia e contribuir com a coletividade para reduzir esses custos? 

1º – Preferir equipamentos e processos de maior eficiência energética – lâmpadas de led em lugar de outras lâmpadas de tecnologia mais antiga; recuperação de energia térmica ou cinética de gases quentes (ex.: turbo de motores); aparelhos de ar condicionado com selo Procel “A”; projeto de edifícios para menor consumo de energia (iluminação natural, exaustores eólicos, iluminação e conforto térmico projetados de maneira adequada); compensação de fator de potência (banco de capacitores); moldes projetados para melhor aproveitamento da energia; etc. 

2º – Gestão da demanda para redução de desperdícios – desligar lâmpadas e máquinas que não estejam sendo utilizados; computadores e impressoras em modo “standby”; abrir janela em vez de usar ar condicionado (onde possível); desligar máquinas em horário de pico; regulagem correta de equipamentos; evitar produzir refugos e retrabalhos; manutenção adequada de máquinas e equipamentos; etc. 

3º – Investir em outras fontes de energias renováveis – uso de biomassa (bagaço de cana, por exemplo), energias limpas (solar ou eólica, por exemplo) ou gás natural (cuja queima gera menor impacto para o efeito estufa que o diesel, por exemplo, e é abundante no país). 

Os governos, através de leis como a 10295/2001 “Política Nacional de Conservação e Uso Racional de Energia” e Decreto Estadual (SP) 45765/2001 “Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia” buscam promover essas práticas dentro do serviço público e incentivar empresas a fazer o mesmo. 

Investir nas possibilidades supra citadas, além de reduzir os riscos de “apagão” e racionamento de energia, poupa água nos reservatórios para outros fins e pode ser um bom negócio para as empresas, gerando economia nas contas de energia. 

A LQ TÉCNICA & GESTÃO pode auxiliar sua empresa a manter e melhorar seu Sistema de Gestão Ambiental e obter os benefícios relacionados. 

Deixe um comentário

ÚLTIMOS ARTIGOS

A IATF16949 e o Plano de Contingência

Nesses anos de 2020 e 2021, devido à pandemia COVID-19 e seus desdobramentos, muitas empresas passaram por situações como elevado índice de absenteísmo e falta

ÚLTIMAS NOTÍCIAS